As novas plataformas que modelos, atrizes e pessoas normais encontraram para fazer uma renda extra com conteúdo sensual

Cansadas de se deparar com o mesmo tipo de pornografia sempre que muitas vezes envolve a depreciação da figura feminina em filmes, algumas mulheres têm buscado formas novas de criar conteúdo adulto que contemple seus prazeres e seu corpo de forma moral.

Mas elas não são somente consumidoras: muitas também produzem entretenimento sexual para ganhar dinheiro, material que nem sempre se encontra nos sites com conteúdo adulto. E isso tem ajudado muitas a se sustentar e pagar suas contas.

Plataformas que compram vídeos e imagens sensuais de forma legal

As novas plataformas que modelos, atrizes e pessoas normais encontraram para fazer uma renda extra com conteúdo sensual.

O site com o conteúdo disponibiliza "pacotes" de benefícios nos  quais as pessoas assinam.
Cada pacote possui um valor: quanto mais caro essa pessoa paga, mais conteúdo exclusivo é liberado para elas verem.

Nessas plataformas funcionam, por exemplo, as assinaturas mensais são fixas, e dão acesso a todo conteúdo postado pelo produtor do conteúdo.

Produtor de conteúdo

Produtores de conteúdo são as pessoas que postam os vídeos e fotos nesses sites. Elas ganha um valor por cada vídeo ou foto postada.

Quanto mais conteúdo, ou seja, vídeos e fotos elas postam mais elas ganham. Os valores podem ser de R$50 a R$1000 dependendo do que for postado nas plataformas.

As plataformas recebem os conteúdos e analisam para ver se tudo está de acordo e quanto o vídeo ou a foto vale.

Geralmente não são aceito edição de efeitos e figurinhas nos vídeo, quanto mais natural for a imagem ou o vídeo, melhores são.

A modelo Foxie, 27, de São Paulo (SP) é uma dessas produtoras de conteúdo. Ela já tinha curiosidade pelo meio "exibicionista", como costuma chamar, e decidiu criar uma conta no Instagram para postar suas fotos e vídeos mais ousados quando descobriu que daria para fazer de outra forma que lhe renderia mais.

 "Um amigo fotógrafo, que já trabalhou com modelos nos EUA, me falou sobre esse mercado. Eu amadureci a ideia e, há mais ou menos oito meses, entrei no ramo".

Hoje, ela vende fotos e vídeos em pacotes, com diferentes preços, que vão de R$50 a R$1000. 

Para as pessoas que pagam os pacotes mais baratos nas plataformas, eu disponibilizo fotos e vídeos de lingerie; para os que pagam um pouco melhor eu disponibilizo fotos e vídeos nua; e para os que  pagam melhor eu disponibilizo vídeos acaraciando minhas partes.

"Não categorizo isso como pornografia, pois não estou fazendo nada ilegal, apenas usando o meu corpo como arte. Diz a modelo"

Para entrar nas plataformas e ficar nelas é preciso empenho

A modelo ressalta que, pelo fato de alguns dos sites serem internacionais, é exigida uma série de documentos para evitar fraudes. "Eles fazem um cadastro muito minucioso para evitar perfis falsos.

Pedem comprovante de residência, documentos com foto, esperam a aprovação bancária, o que dá um certo trabalho para entrar, mas compensa pela segurança", relata Foxie. 

Vanellope diz que o mais complicado não é entrar, mas continuar a fazer esse trabalho. "Eu comecei com uma amiga que desistiu logo no começo. Não é tão fácil e tão simples quanto eu pensava que seria, pois algumas plataformas é preciso produzir um grande volume de conteúdo", diz. Ela conta que chega a trabalhar só com isso.

É possível publicar os vídeos e fotos mostrando o rosto sem nenhum problema, eu particulamente não faço prefiro ficar anonima, mas minhas amigas mostram o rosto sem problema nos vídeos e fotos.